Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mais sobre mim

foto do autor




É fácil apaixonarmo-nos

por Quadrada, Quarta-feira, 09.01.13

E é. É muito fácil apaixonarmo-nos, porque a verdade é que nos apaixonamos com o cérebro. E, se nos esforçarmos para gostar de alguém, acabamos por conseguir. Outras vezes nem "escolhemos", aquela pessoa aparece e pronto. Tem qualquer coisa que nos chama a atenção, qualquer detalhe que a torna interessante aos nossos olhos. Talvez seja a roupa casual que usa, o modo como deixa o cabelo cair, o perfume novo que tem ou os livros que gosta de ler. Não importa - há ali qualquer coisa que nos prende, que nos cativa. E quando damos por nós, puf!, estamos apaixonados.

Pois é, a paixão surge tão facilmente que até assusta. Ao longo da nossa vida apaixonamo-nos por tanta gente, de tantas formas diferentes. Mas não é aqui que está a dificuldade porque, como já disse, apaixonarmo-nos é algo fácil. Difícil é mantermo-nos apaixonados. Difícil mesmo é continuar a gostar daquele cabelo quando está despenteado, daqueles lábios que nos beijam ao acordar, do tampo da sanita sempre levantado por mais que o baixemos, da quantidade de cigarros que ele(a) fuma, da roupa espalhada por todo o lado, do dinheiro que ele(a) gasta em coisas inúteis. A dificuldade está em mantermo-nos apaixonados quando deixamos de ver aquela pessoa no seu estado mais arranjado e cuidado, e passamos a conhecê-la a fundo enquanto ser humano com defeitos.

Mas sou da opinião que uma boa relação não acontece com duas pessoas que se amam. Acontece sim com duas pessoas que se amam (claro) e que, acima de tudo, querem mesmo muito ficar juntas. Porque quando se quer a sério, nada é um impedimento. Quando realmente achamos que vale a pena e estamos empenhados nas coisas, elas tornam-se...fáceis. E muito, muito boas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

2 comentários

De Fábio Raposo a 09.01.2013 às 14:38

O tema "Paixão" é algo difícil de debater, é verdade que não escolhemos a pessoa, a "coisa" simplesmente acontece e muitas vezes nem nos apercebemos do porquê. Umas vezes corre bem, outras nem tanto. Mas claro, a primeiro factor para que tudo corra bem é ambas as partes quererem o mesmo.
Tu falas em defeitos, ninguém é perfeito, cada pessoa apenas tem que dar mais importância às qualidades que aos defeitos, esses defeitos com o tempo deixam de fazer qualquer tipo de relevância. 

De Quadrada a 09.01.2013 às 20:38

Os defeitos chateiam sempre, mas desde que não sejam graves e as qualidades sejam superiores, está tudo bem.

Comentar post