Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Mais uma carta para ele

por Quadrada, Sábado, 16.02.13
Tenho muitas saudades do meu avô. Ele morreu quando eu tinha 8 anos. O meu irmão Rui não se lembra bem, tinha só 5 anos, e o Pedro nem sequer era nascido. Mas eu, que passei toda a minha infância com ele, senti bem a sua perda.

Lembro-me do dia em que ele foi para o Hospital. Eu, o Rui e os meus pais passámos de carro pela ambulância, sem sequer sabermos que era o meu avô que ia lá dentro. Há ironias negras, não há? Quando chegámos, ficámos a saber. Ele tinha caído de uma altura de cerca de quatro metros e estava muito mal.

Passámos dias e dias a ir constantemente ao Hospital, na esperança de o ver melhorar. Nunca me deixaram entrar no quarto. Na altura eu não percebia porquê, agora entendo. Ele provavelmente estava irreconhecível e realmente no fim da vida.

No dia em que ele morreu, eu estava na escola. Não me lembro de quem me contou, do que senti, do que se passou à minha volta. Mas retive uma imagem muito importante: quando o meu pai chegou a casa, eu não disse nada. Simplesmente corri para junto dele, que estava ajoelhado no chão, e abracei-o com muita força.

Não chorei nesse dia. Nem no funeral dele, porque não me deixaram ir. Mas chorei depois, quando o visitei pela primeira vez no cemitério e tive finalmente consciência de que já não ia poder vê-lo mais.

No entanto, sei que ele olha por mim, que me ouve e que me sente. Antigamente, quando estava triste, costumava ir ao cemitério falar com ele, chorar encostada à campa, como se ele estivesse lá para me confortar. Saía de lá a sentir que tinha sido ouvida, e a verdade é que era um hábito que me deixava muito mais tranquila. De vez em quando ainda passo por lá só porque sim.


E lamento que este texto não esteja escrito em forma de carta dirigida a ele. Mas está dirigida a vocês, sobre ele e sobre as saudades que eu sinto todos os dias do homem que me dizia que eu era a menina mais linda da Praia da Vieira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

2 comentários

De meninapequenina. a 16.02.2013 às 20:50

Este texto mexeu especialmente comigo.

De Quadrada a 16.02.2013 às 22:44

Fico contente :)

Comentar post