Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Ainda a Floribella não sabia o que eram corações e já eu os desenhava nos cadernos!

por Quadrada, Quinta-feira, 27.01.11

Uma forma de poupar dinheiro cá em casa no que respeita a estudos (tendo em conta que somos três irmãos, tudo a estudar para sermos dótôres um dia destes) passa pela reciclagem. Ora, com isto quero dizer que eu, sendo a mais velha, vou guardando tudo quanto é livro, teste ou apontamento para os meus irmãos utilizarem posteriormente, visto que alguns livros mantêm-se os mesmos de ano para ano e não há necessidade de andarmos a mandar dinheiro ao lixo assim por dá cá aquela palha.

De maneiras que hoje encontrei alguns livros meus (do 5º ao 12º ano) e pus-me a folheá-los, relembrando com alguma nostalgia aqueles tempos em que me fartava de queixar mas nos quais, efectivamente, não tinha que fazer CHÊTA e em que um ou dois dias de estudo bastavam para um "Muito Bom" nos testes.

No meio disto, descobri que uma boa maneira de relembrar também toda a minha vida amorosa, desde os primórdios, passa precisamente por folhear esses livros e cadernos. É que de ano para ano (e às vezes de período para período) aparece um nome diferente escrito a páginas tantas, com uns quantos coraçõezinhos ao lado. Em vez de chorar de saudade, quase me ia mijando toda a rir. Havia lá gente que eu já nem me lembrava que existia e alguns para os quais até tive que fazer um grande esforço de memória na tentativa de me lembrar quem eram. Se bem que ainda há um ou dois nomes algures no meu 7º ano que ainda estou para saber quem são...

P.S.: Destaque para uma folha de um caderno de exercícios do 9º ano que diz assim: "Meu Deus, acho que estou apaixonada pelo LP! COMO É QUE É POSSÍVEL?!?". Note-se que o LP é o Babe.

Não me lembro de ter ficado tão aterrorizada com a ideia de sentir alguma coisa por ele, mas pelos vistos a minha reacção não foi das melhores.

 

AHAHAHAHAHAHAHAHAH.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vida não em Coimbra, mas sobre Coimbra. As always.

por Quadrada, Quinta-feira, 27.01.11

Não tenho nota prática à cadeira de Psicologia do Desenvolvimento porque a professora pura e simplesmente não tem registos meus em lado nenhum. É como se não tivesse ido às aulas, feito trabalhos e por aí.

Logo esta professora, que era a minha preferida. A ver se não me lixa o esquema, senão tenho que ir armar bandalho para os Serviços Académicos e depois é o caraças.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Desabafo #

por Quadrada, Quinta-feira, 27.01.11

Chato é aquele que, quando dizes por educação "aparece lá em casa um dia destes", ele aparece mesmo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vida em Coimbra...ou fora dela...mas sempre ligada a ela, arre!

por Quadrada, Quinta-feira, 27.01.11

Depois de mais uma desilusão (e com isto quero dizer que chumbei a Estatística e que, portanto, não há cá foto nenhuma do Neemias), lá fui eu agarrar-me aos livros. Ontem deitei-me muito cedo, como há muito não fazia. Estava triste e desiludida (comigo e com os outros). Estudo imenso e não consigo notas de jeito; preocupo-me com quem não se preocupa comigo; tenho que compreender toda a gente mas ninguém pára um minuto para pensar se também preciso de compreensão. Não está fácil.

Embora adore o meu curso e sempre o tenha querido, às vezes dou por mim a pensar se estou no sítio certo. Sim, porque com estas notas não vejo motivo para andar por cá. Sei que quero ser psicóloga e que é disto que gosto, mas porra! Tanto esforço para depois andar a chorar pelos cantos?!

Com o Babe também já estive melhor. Ele quer que eu seja uma coisa que não sou e eu recuso-me a mudar seja o que for. Gosto de mim assim e é assim que ele tem que gostar também! Senão não é de mim que gosta, mas sim de uma imagem de mim que ele criou na cabeça dele. Não é isso que quero para mim. E o que passa cá para fora é que faço tudo mal, digo tudo mal, penso tudo mal...logo quando eu precisava mais do apoio dele! Bolas, eu sei que para ele não é fácil toda esta correria com os estudos e o trabalho, mas eu também estou aqui e também preciso de atenção! Não se trata de ter tudo à minha vontade, trata-se de em cinco horas a estudar/trabalhar arranjar quinze míseros minutos para me dar atenção. Custa assim tanto??

Depois vem com a conversa que faz tudo por mim, que está sempre comigo, que não dou valor a isso, que isto, que aquilo. Raios, e eu?! Eu não estou sempre com ele?? Não faço o mesmo por ele?? E o que não faço é porque não posso fazer, garanto! Por minha vontade dava-lhe tudo e era perfeita, mas porra, não sou! Sou um ser humano como ele e também tenho as minhas neuras, as minhas paranóias, os meus amuos e os meus dias maus! Também tenho objectivos, necessidades, coisas para fazer. Mas nunca, NUNCA, em situação alguma pensei se não estaria melhor sem ele (nem nas que efectivamente ele merecia que eu não só tivesse pensado como FEITO!).

E depois se me queixo, Jesus. Vira tudo do avesso. Porque eu é que sou isto e aquilo, porque eu é que penso assim e assado, porque eu é que digo sins e sopas, porque eu é que faço frito e cozido. PORRA, eu não sou de ferro!! Com estas coisas, é CLARO, é ÓBVIO que dou em maluca e expludo um dia! Estava à espera de quê?! Que eu dissesse "ai sim senhor, perdoa-me por ser EU MESMA, desculpa, tens toda a razão, vou já ali fazer três plásticas e cinco lavagens cerebrais e já cá venho linda e perfeita só para ti"?! Bolas, se quer uma namorada perfeita que vá comprar uma Barbie e lhe dê beijinhos! Essas é que são boas, que nem ouvem nem falam. Estão sempre caladinhas, aceitam tudo e não saem dali até as tirarmos.

O que depois me irrita é saber como eu já fui e como poderia continuar a ser e ele não dar o mínimo valor ao que tem agora. Não dá e escusa de dizer que dá, porque uma pessoa que, a cada discussão, diz que questiona a nossa relação não dá de todo valor ao facto de ter uma namorada como eu. Porque estou na universidade e VEJO (atenção, ninguém me conta!) raparigas que namoram a andarem para trás e para a frente com este e aquele, a raramente irem à terra delas (onde os namorados estão), a dizerem ao telefone "ai amor, hoje estou tão cansada que me vou deitar mal acabe de jantar" e depois é vê-las a curtir a noite até de manhã...e fico-me por aqui para não desbobinar mais. Eu, que desde o início das aulas saí à noite em Coimbra DUAS VEZES (uma porque foi jantar de Serenata, e noutra ele até esteve comigo), que fiz questão de o apresentar a toda a gente para o pessoal saber que tenho e quem é o meu namorado, que venho uma data de vezes a casa, que quando não estou a estudar estou a dormir...etc, etc, etc...tenho que levar com a ingratidão dele. E MAIS, consegue questionar a nossa relação numa situação em que EU tinha todos os motivos e mais alguns para acabar com ele!! É o cúmulo! Mas ele nem pára cinco minutos para pensar nisso! Só lhe interessa é dar três berros para eu dizer que sim e pronto. Mas eu não vou dizer que sim! Não em situações em que me atira à cara que me mostro uma coisa que ele sempre quis mudar só porque passei um dia inteiro a olhar para o tecto sem que ele parasse sequer cinco minutos para me perguntar se estava tudo bem ou fizesse um intervalo para estar um bocadinho a olhar para mim! E sempre me quis mudar?! Ora porra, mas ele afinal gosta de mim ou quer que eu seja alguém de quem ele gosta?! Temos pena se não sou como ele quer. Sou assim, nasci assim e quem gosta de mim gosta precisamente ASSIM. E eu adoro-me.

Autoria e outros dados (tags, etc)